Pesquisar
Close this search box.
Sumário

Até Quando Fazer Follow-Up de Propostas Comerciais

Fala galera, tudo bem com vocês? Hoje vou tratar sobre um tema que, por vezes, é cansativo: o follow-up de propostas comerciais. Ficou interessado? Confira!

Querendo ou não, uma das funções de um profissional da área comercial é insistir por uma resposta para sua proposta. Mas até que ponto essa insistência é válida e quando ela passa a ser inconveniente?

Afinal, qual a quantidade máxima de follow-up?

Eu já tive casos em que cheguei a receber cerca de seis e-mails com proposta da mesma empresa, sendo que eu não solicitei nada. E ainda mais, umas quatro horas após eu abrir os e-mails, recebia outra mensagem pedindo se eu já tinha visualizado a proposta.

Por isso, acredito que saber a quantidade de follow-up que você ou sua equipe comercial pode fazer antes de se tornarem chatos é essencial. Aqui na Mestre, nosso processo comercial funciona da seguinte maneira:

  • fazemos a triagem;
  • a pessoa conversa com o nosso comercial;
  • montamos uma proposta;
  • fazemos uma apresentação dessa proposta (geralmente por Skype);
  • enviamos a proposta por e-mail.

Durante a call para apresentação da proposta já perguntamos quando podemos, mais ou menos, retornar para ter uma resposta.

Esse é o primeiro ponto do follow-up — saber quando você pode abordar o cliente. Vale também perguntar se mais alguém, além da pessoa para quem apresentou, precisa de informação para tomar a decisão.

Pois, quanto mais pessoas envolvidas nesse processo, mais tempo irá demorar para ter uma resposta.

Uma lógica que seguimos por aqui é não fazer mais do que três follow-ups, sendo que:

  • o primeiro é para lembrar a pessoa que ela deu aquela data para retornar com uma resposta. Também para se colocar à disposição para fornecer qualquer nova informação;
  • se a pessoa não responde ao primeiro e-mail, fazemos um segundo follow-up — entre 3 a 7 dias depois — perguntando se viu o último e-mail enviado;
  • por fim, o último e-mail é para dizer ao contato que entendemos que talvez aquele não seja o melhor momento para aquela decisão. Porém, deixamos aberta a possibilidade de uma nova conversa em uma outra ocasião.

Resumidamente, são dois e-mails para cobrar uma resposta e um último para se “despedir” educadamente.

Não faça follow-up excessivo

Ficar atrás do seu contato insistentemente e, até mesmo, usar de forma deliberada um software que detecta a abertura de e-mail pode ser prejudicial para a evolução do trabalho comercial.

Se a demora na resposta não for por falta de interesse, mas por algum motivo em particular — demora para aprovação interna, afastamento da pessoa que era o seu contato, férias, etc. — a insistência pode pesar negativamente na tomada de decisão.

Por fim, a mensagem que quero passar é para ter muito cuidado no follow-up. Ele é uma ferramenta poderosa do comercial, mas se você exagerar, pode acabar prejudicando a sua agência digital ou até mesmo a reputação da sua marca.

Quer outras dicas de como abordar seus clientes? Acompanhe mais conteúdos como este aqui no blog do Agência10x!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados
Como Trabalhar Com Objeções de Preço na Proposta Comercial
Como Trabalhar Com Objeções de Preço na Proposta Comercial

As objeções de preço são bastante comuns durante negociações comerciais, e você precisa aprender a quebrá-las sem desvalorizar os seus serviços e correr o risco de pagar para trabalhar. Leia o artigo e entenda mais sobre o assunto!

Como Quebrar Objeções na Venda de Gestão de Tráfego? Confira Estratégias
Como Quebrar Objeções na Venda de Gestão de Tráfego? Confira Estratégias

Por melhor que seja sua proposta comercial, nem todo cliente vai aceitá-la de primeira. Pelo contrário: é muito comum que eles precisem ser convencidos. Leia o artigo e confira estratégias de como quebrar objeções na venda de gestão de tráfego que vão te ajudar a fechar mais contratos!